As artes e a comunicação como meios de resistência das mulheres


Jornalismo
março. 23, 2021

UNIAESO promove evento para discutir o assunto

Artista, Cantora, Feminista, Mulher Negra e Produtora Cultural, Gabi da Pele Preta se une a Juliana Notari, que é Artista, Produtora Cultural e Pesquisadora na área de Artes (Doutoranda e Mestre em Artes pelo PPGARTES/UERJ), para debater sobre as artes e a comunicação como meios de resistência das mulheres. As duas são convidadas da UNIAESO para o encontro virtual, no Google Meet, dia 31 de março, das 20h às 22h. Acesso pelo link: meet.google.com/nbf-rzby-gxf.

A palestra se insere no calendário da instituição como uma atividade interdisciplinar do Mês da Mulher. Trata-se de um evento complementar à formação cidadã dos estudantes dos cursos que têm interlocução com as áreas de artes e comunicação. 

“Esperamos, com o encontro, discutir as apropriações que as mulheres fazem das artes e da comunicação como meios de garantia de seus direitos humanos e contra a perda de direitos. Nessa perspectiva, tratamos as artes e a comunicação como arenas políticas importantes para o empoderamento das mulheres”, afirma Nataly Queiroz, coordenadora de Jornalismo.

Veja o programação:

20h - Abertura do evento

 20h15 - Exposição de Gabi da Pele Preta

 20h35 - Exposição de Juliana Notari

 20h55 - Abertura para debate 

21h45 - Fala de encerramento

SOBRE AS PALESTRANTES

Juliana Notari é Artista, Produtora Cultural e Pesquisadora na área de Artes – doutoranda e mestre em Artes pelo PPGARTES/UERJ –, trabalha com diversas linguagens com abordagem experimental, híbrida e multidisciplinar. Participou de exposições nacionais e internacionais, recebeu prêmios, realizou residências artísticas e possui trabalhos em coleções públicas e privadas. Dentre os quais podemos destacar: artista finalista do 7º Prêmio Marcantonio Vilaça, 2019, artista nomeada para o Prêmio PIPA 2018, premiada no Rumos Itaú Cultural em 2016, Prêmio do Salão Arte Pará em 2014, Prêmio Funarte – Mulheres nas Artes Visuais em 2013. Suas principais exposições individuais incluem “Amuamas”, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM, Recife, PE, 2018; “Rire pour Moi”, 2009, Galeria da École Supérieure d’Art d’Aix-en-Provence, França, 2009; Das exposições coletivas destacam-se: “À Nordeste”, SESC 24 de Maio, São Paulo, SP, 2019; “Exposição do 7º Prêmio Marcantonio Vilaça”, MAB- FAAP, São Paulo, SP; “Bienal Del Sur: Pueblos en Resistencia”, Museu de Belas Artes de Caracas, Venezuela, 2015; “Transperformance 2 – Inventário dos Gestos”, Oi Futuro Flamengo, Rio de Janeiro, RJ, 2012; “Metrô de superfície”, Paço das Artes, São Paulo, SP, 2012; “Festival Performance Arte Brasil”, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM, Rio de Janeiro, RJ, 2011. Possui trabalhos em acervos particulares e institucionais, a exemplo do Museu de Arte do Rio – MAR (Rio de Janeiro), Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães –MAMAM (Recife,PE), Coleção do Banco do Nordeste – CCBNB (Fortaleza, CE), Fundação Rômulo Maiorana (Belém, PA), Museu da Universidade Federal do Pará (Belém, PA), Fundação Cultural GUEES (Los Angeles, EUA), Casa Niemeyer e Casa de Cultura da América Latina - CAL, Universidade de Brasília (Brasília - DF). 

Gabi da Pele Preta é Artista, Cantora, Feminista, Mulher Negra, Produtora Cultural.

Jornalismo -

voltar

Nós usamos cookies

Eles são usados para aprimorar a sua experiência. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookeis. Saber mais.
Aceitar