Foto: Thayse Medeiros

Dia do bibliotecário – Conheça a história de quem, há 21 anos, coordena a biblioteca da AESO-Barros Melo


Institucional
março. 12, 2020

Formada em Biblioteconomia pela UFPE, Sydia Magnólia é apaixonada por livros desde criança

Todos os dias ela chega, pela manhã , na sala, ocupa a  mesa e abre a caixa de entrada do e-mail. Metódica, faz questão de sinalizar logo os que irão para a lixeira, dividindo o restante entre abas coloridas, para, posteriormente, identificá-los de maneira mais fácil. Apesar de ser uma profissão discreta, raras vezes a presença de uma bibliotecária passa despercebida em uma instituição. É a ela a quem você recorre ao precisar daquele livro cujo conteúdo vai cair na prova, ou até mesmo quando necessita de algum equipamento de apoio para realização de atividades extraclasse. 

Desde criança, Sydia Magnólia, profissional que coordena a Biblioteca Nilzardo Carneiro Leão, das Faculdades Integradas Barros Melo (FIBAM), é apaixonada pelos livros. Sempre incentivada pelos pais e avó, a bibliotecária não pensou duas vezes quando chegou a hora de decidir sobre o curso que prestaria o vestibular. Formada em Biblioteconomia, pela Faculdade Federal de Pernambuco (UFPE), e em Letras, por uma faculdade particular da Região Metropolitana do Recife, Sydia, devido ao perfil organizado e dinâmico, foi chamada para montar a biblioteca da Associação Brasil-América, logo no início da carreira. Alguns meses depois, passou por seleção e ingressou no SENAI, onde permaneceu por dez anos adquirindo experiências e concretizando desafios. Como a instituição possuía acordo de cooperação entre governos estrangeiros, Sydia realizou curso sobre informação tecnológica, na Alemanha, e, quando voltou, soube que as FIBAM tinham aberto seleção para bibliotecária. Ela participou e, no mesmo dia, foi chamada para integrar a equipe, onde permanece há 21 anos.

“O papel das bibliotecas mudou com a chegada da informatização e, seguindo essa tendência, a da AESO-Barros Melo faz um trabalho que também abrange essas novas tecnologias. Nós, além dos livros físicos, temos as bibliotecas virtuais, as quais os alunos podem acessar e ler a obra de forma digital. Além dos livros, revistas, jornais e demais conteúdos, também disponibilizamos equipamentos para uso diário dos estudantes e funcionários da instituição, como câmeras digitais e de grande formato, teclados, gravadores, entre outros itens”, sinaliza.

Fugindo do estereótipo do profissional que fica quietinho, no canto de uma sala silenciosa, repleta de livros, Sydia, além de atuar na biblioteca, é ponto de referência na faculdade. Sempre inteirada de todos os setores, ela também trabalha articulando informações e auxiliando na pesquisa por soluções em diversas situações. Isso faz com que ela carregue, em si, a lembrança da instituição: “Sempre encontro alunos e ex-alunos na rua que me reconhecem, porém, muitas vezes não lembram o nome, ai gritam: “Ei, bibliotecária da AESO”. Eu acho isso muito bacana e gratificante. Mostra que o meu trabalho é sempre lembrado por eles”, comemora.

Levando a paixão pelos livros , sempre além da relação profissional, ela comenta que, anualmente, realiza um amigo secreto especial na festa natalina da  família, onde os presentes trocados, entre crianças, adolescentes e adultos, são livros: “Acho que isso é uma forma de cultuar a leitura em nossa família. Nós conhecemos o gosto de cada um, principalmente, em um ambiente familiar ou entre amigos, então, é bem fácil acertar na escolha e surpreender o presenteado”.

Sobre a importância de incluir a leitura na rotina, Sydia deixa um recado: “Não deixem de ler, pois esse hábito dá acesso a um leque de conhecimento incrível e isso ninguém consegue tirar de você. Mesmo que seja 10 ou 15 minutos por dia, leia algo que você goste, seja um jornal, notícias online ou livros. O importante é praticar”.

aeso - barros melo - biblioteca -

voltar